Saturday, December 09, 2006

Fera


Manipulação sobre foto de Yves Noir


Tem dias em que, cervejado e destemido,
atravesso as brumas que camuflam,
sob as estrelas, a cidade de monóxido.
E, embora suas sombras me protejam,
nesses momentos de sangue e álcool
me exponho ao olhar selvagem da felina
que me espreita de becos e esquinas.
Consciente da precisão de seu assalto
deixo o vento me delatar a seu olfato.
Espero seu ataque de unhas e dentes,
que me engula com todas as suas bocas,
que me traga morte violenta e ardente
e me transforme em cinzas de um instante,
mas que me deixe intacta a idéia de coração.


Rio, outubro de 2005

2 Comments:

Blogger Paulo de Tarso said...

Travestir-se em "cordeiro expiatório" e deixar-se imolar, assim submisso, por todas as bocas femininas - e são tantas - em morte violenta e lacerante, onde reste apenas a idéia: foi comido, mas ficou o romance...
Penso que todo homem, por mais escroto, canalha e cafajeste que seja, no fundo, no fundo, alimenta este desejo: ter sua "casca grossa e grosseira" devorada, até que sua essência mais profunda - romântica e delicada - seja revelada.
Só um monstro-fêmea tem o dom de fazer isso...

2:29 PM  
Blogger ipaco said...

Concordo totalmente. É uma coisa atávica.

10:15 AM  

Post a Comment

<< Home

mariposas: Fera